quinta-feira, 7 de julho de 2011

Apostila Digital Pref.Santos-SP Professor Substituto 2011


Apostila Digital Pref.Santos-SP Professor Substituto 2011
R$ 20,00
Apostila digital em formato pdf
Elaborada de acordo com o edital 2011
Pagamento através do Pagseguro
Será enviada para seu e-mail após a confirmação do pagamento
acreis54@terra.com.br

Clique no botão abaixo para aquisição da apostila:














LÍNGUA PORTUGUESA

Ortografia oficial

Acentuação gráfica

Flexão nominal e verbal

Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação

Emprego de tempos e modos verbais

Vozes do verbo

Concordância nominal e verbal

Regência nominal e verbal

Ocorrência de crase

Pontuação

CONHECIMENTOS GERAIS

Concepção de educação e escola.CORTELLA, Mario Sergio. A Escola e o Conhecimento: Fundamentos Epistemológicos e Políticos. São Paulo:Cortez, 1999

ARMSTRONG, Thomas. Inteligências Múltiplas na sala de aula. Porto Alegre: Artmed, 2001

Concepção de educação infantil e ensino fundamental. (Legislação)

Função social da escola e compromisso social do educador.OLIVEIRA, Inês Barbosa de; SGARBI, Paulo (Orgs) Redes Culturais: diversidade e educação. Rio de Janeiro: DP& A 2002

PENTEADO, Heloísa Dupas de Oliveira. Meio ambiente e formação de professores. São Paulo: Cortez, 2007

GADOTTI, Moacir. Educar para a Sustentabilidade: uma contribuição à década da Educação para o desenvolvimentosustentável. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2008

A construção de identidades nas interações.GARDNER, Howard. Inteligências Múltiplas: a teoria na prática. Porto Alegre: Artes Médias, 1995

DANTAS, H.; OLIVEIRA M.P.K; TAILLE Yves; “Piaget Vigotsky” Wallon, Teorias Psicogenéticas em Discussão “ –SP.Edit Summus, 1992

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996..55Didatismo e ConhecimentoÍndiceA ludicidade como dimensão humana.EDWARDS, Carolyn. GANDINI, Lella. FORMAN, George. As Cem Linguagens da Criança – A Abordagem deReggio Emilia na Educação da Primeira Infância. Porto Alegre: ARTMED. 1999

Educação: cuidar e educar.MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO – Ensino Fundamental de Nove Anos – Orientações para a inclusão da criança deseis anos de idade. Brasília: FNDE, Estação Gráfica, 2006.

Políticas educacionais.KEPPE, Norberto da Rocha. A Libertação pelo Conhecimento. São Paulo: Proton, 2001, 2ª edição

Projeto político-pedagógico: fundamentos para orientação, planejamento e implementação de ações na criação decondições para o desenvolvimento humano, com foco no educando, dentro do processo ensino-aprendizagem.VASCONCELLOS, Celso S. Planejamento - Projeto de Ensino Aprendizagem e Projeto Político Pedagógico, SãoPaulo: Libertad, 2002

Currículo como construção sóciohistórico e cultural.____________. Indagações sobre o Currículo: - Caderno 1 – Os Educandos, seus direitos e o Currículo – Arroyo,Miguel;

Caderno 2 – Currículo e Desenvolvimento Humano – Elvira Souza Lima;

Caderno 3 – Currículo, Conhecimento e Cultura – Antonio Flávio Moreira e Vera Maria Candau;

Processo ensino-aprendizagem: Alfabetização e Letramento.VYGOTSKY, L.S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001

Avaliação e registro.Currículo e Avaliação – Claudia Moreira Fernandes e Luiz Carlos de Freitas

HOFFMANN, Jussara. Avaliação mediadora – Uma prática em construção da Pré-escola à Universidade. PortoAlegre: Mediação, 1998

Organização da escola centrada no processo de aprendizagem e desenvolvimento do educando: ciclos – os tempos davida humana.GADOTTI, M. Educação integral no Brasil: inovações em processo. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2009

ARROYO, MIGUEL G. Ofício de Mestre: imagens e auto-imagens. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000

Educação inclusiva.Declaração de Salamanca

MANTOAN, Maria Teresa Egler e colaboradores. Inclusão Escolar. O que é? Por quê? Como fazer. São Paulo:Moderna, 2003

Gestão participativa na escola. (Legislação)

Parâmetros Curriculares Nacionais

LEGISLAÇÃO

Legislação Federal:Constituição da República Federativa do Brasil – promulgada em 5 de outubro de 1988, Artigos 5°,

Didatismo e ConhecimentoÍndiceLei Federal nº. 8.069, de 13 de julho de 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente e alterações posteriores

Lei Federal nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 – Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional e alteraçõesposteriores

Lei Federal nº 10.172, de 09/01/01 - Aprova o Plano Nacional de Educação

Lei Federal nº 10.436, de 24/04/02 - Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS

Lei Federal nº 11.494, de 20/06/07 que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básicae de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB

Resolução CNE/CEB nº 05/09 - Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil

Resolução CNE/CEB nº 02/01 – Institui diretrizes nacionais para a Educação Especial na Educação Básica

Resolução CNE/CEB nº 03/05 – Define normas nacionais para a ampliação do Ensino fundamental para nove anos deduração

Resolução CNE/CEB nº 03/98 - Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio

Resolução CNE/CEB n° 03/99 - Fixa Diretrizes Nacionais para o funcionamento das Escolas Indígenas

Resolução CNE/CP nº 01/04 - Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Etnico -Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana

Resolução CNE/CEB nº 04/06 - Altera o Artigo 10 da Resolução CNE/CEB nº 03/98

Resolução CNE/CEB nº 03/10 – Define Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos

Resolução CNE/CEB nº 04/10 – Define Diretrizes Gerais para Educação Básica

Resolução CNE/CEB nº 07/10 – Define Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental

Parecer CNE/CEB nº 20, de 11 de novembro de 2009 – Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a EducaçãoInfantil

Parecer CNE/CEB nº 11/2010, aprovado em 7 de julho de 2010 – publicado no DOU 09/12/2010- Diretrizes CurricularesNacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos

RESOLUÇÃO CNE/CEB nº 7, de 14/12/2010, publicado no DOU de 15/12/2010 – Fixa Diretrizes CurricularesNacionais para o Ensino Fundamental de Nove Anos e revoga a Resolução CNE/CEB nº 2, de 7 de abril de 1998

Legislação Municipal:LEI Nº 2651 de 27 de novembro de 2009. Dispõe sobre o conselho de escola e da outras providências. Publicado noDiário Oficial de SANTOS em 28/11/09

SANTOS. Prefeitura Municipal. Regimento escolar das escolas municipais de Santos. Publicado do Diário oficial domunicípio de santos de 30/04/05

BIBLIOGRAFIA

ARMSTRONG, Thomas. Inteligências Múltiplas na sala de aula. Porto Alegre: Artmed, 2001

ARROYO, MIGUEL G. Ofício de Mestre: imagens e auto-imagens. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000

DANTAS, H.; OLIVEIRA M.P.K; TAILLE Yves; “Piaget Vigotsky” Wallon, Teorias Psicogenéticas em Discussão “ –SP.Edit Summus, 1992

CORTELLA, Mario Sergio. A Escola e o Conhecimento: Fundamentos Epistemológicos e Políticos. São Paulo:Cortez, 1999

Declaração de Salamanca

EDWARDS, Carolyn. GANDINI, Lella. FORMAN, George. As Cem Linguagens da Criança – A Abordagem deReggio Emilia na Educação da Primeira Infância. Porto Alegre: ARTMED. 1999

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996

GADOTTI, Moacir. Educar para a Sustentabilidade: uma contribuição à década da Educação para o desenvolvimentosustentável. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2008

GADOTTI, M. Educação integral no Brasil: inovações em processo. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2009

GARDNER, Howard. Inteligências Múltiplas: a teoria na prática. Porto Alegre: Artes Médias, 1995

HOFFMANN, Jussara. Avaliação mediadora – Uma prática em construção da Pré-escola à Universidade. PortoAlegre: Mediação, 1998



Nenhum comentário:

APOSTILAS

FORMULÁRIO DE CONTATO
Nome
E-mail
Assunto
Mensagem